Sábado, 22 de Junho de 2024
Justiça Iporã

Polícia Civil desvenda crime bárbaro ocorrido em 2022 em Iporã, onde um homem matou a mulher, jogou corpo numa fossa e incendiou a residência

A vítima, uma mulher de 50 anos, estava desaparecida desde o ano de 2022.

11/06/2024 às 14h31 Atualizada em 11/06/2024 às 17h44
Por: Edivaldo Domingos
Compartilhe:
Foto: Polícia Civil Iporã
Foto: Polícia Civil Iporã

Nesta terça-feira 11 de junho de 2024, 15 ª Unidade de Polícia de Iporã, após trabalho integrado dos setores de inteligência da PCPR, Polícia Militar e Polícia Penal, desvendou a autoria de um homicídio ocorrido em 2022 na cidade de Iporã.

Continua após a publicidade
Anúncio

A vítima, uma mulher de 50 anos, estava desaparecida desde o ano de 2022. Com isso, Investigadores da 15ª DRP de Iporã, após diligências, se deslocaram até um terreno na região central desta cidade.E, com o auxílio de uma retroescavadeira da prefeitura municipal de Iporã, escavou aproximadamente 8 metros na região da fossa deste local.

Continua após a publicidade
Anúncio

Ato seguinte, depois de algumas escavações, encontraram alguns ossos, dentre eles, um crânio, que, a princípio, tinha características idênticas de ossada de ser humano e ainda, vestes íntimas de uma mulher.

Continua após a publicidade
Anúncio

Em seguida, o IML foi acionado para realizar o recolhimento da ossada. Ato conseguinte, os ossos passaram por perícia na Polícia Científica, indicando ser ossada feminina.

Posteriormente, foi feito o confronto genético com o material fornecido pela descendente de uma vítima suspeita. Tornando-se positivo o confronto, conforme laudo antropológico da Polícia Científica acostado no caderno de investigação.

Dessa forma, as investigações da 15ª DRP de Iporã se intensificaram. E, após diligências, chegaram a provável autoria delitiva dessa crueldade.

O suposto autor mantinha uma relação com a vítima e, depois de um desentendimento, matou a vítima, ocultou o seu cadáver e incendiou a residência em que morava, justamente para esconder o corpo de delito do crime.

Ressalta-se que a residência incendiada é a mesma em que o corpo foi localizado, isto é, na fossa desse terreno.

O investigado, que já se encontra preso preventivamente na penitenciária de Guaíra, tendo em vista o cometimento de inúmeros furtos qualificados na cidade de Iporã, terá um novo pedido de prisão preventiva representado por esta autoridade policial e será indiciado por homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e, ainda por ter causado incêndio na residência em que habitava.

A investigação é fruto da intensa colaboração entre as Forças de Segurança Pública do Estado do Paraná, notadamente a PCPR, PMPR, Polícia Penal e Polícia Científica.

Seguimos vigilantes para proteger nossa população.

 

Servir e proteger.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias